compartilhe

0

0

Saúde

Atividade física e bem-estar psicológico

Por
Redação
run_materia

Foto: Thinkstock.

Vivemos dias de grande pressão.
Competitividade, necessidade constante de atualização, a velocidade com que as coisas ocorrem e mudam. Tudo isso torna o ser humano vulnerável à ansiedade e ao estresse, tanto que 25% das pessoas desenvolvem algum transtorno de ansiedade. Mas não precisamos apresentar um problema clínico para sofrermos com a adaptação à vida moderna.

Ele é uma resposta física e psicológica a mudanças e situações novas, eventos que a mente, independentemente de nossa vontade, avalie como ameaçadoras. Consiste na preparação do organismo para lutar ou fugir, como faziam nossos ancestrais diante de um predador. Nesses casos, era um utilíssimo mecanismo de preservação de curtíssima duração, podendo significar a diferença entre a vida e a morte.

Na resposta de luta e fuga, o cérebro dá o alarme. A suprarrenal produz adrenalina e cortisol e o fígado, gordura e glicose. Dessa forma, prepara o corpo para responder com máxima energia. Se a resposta é finalizada, cumpriu sua função.

Em nosso tempo, a maioria das situações de estresse e ansiedade não pode ser resolvida com luta e fuga. O medo do amanhã, a incerteza profissional ou relacionamentos problemáticos são situações em que ele se prolonga, o que não possibilita que o organismo se livre dessas substâncias.

O que era útil em termos de sobrevivência fica perigoso quando prolongado, podendo desencadear sintomas e doenças diversos.

Com a prática esportiva, a corrida em particular, eliminamos os hormônios do estresse. A ansiedade diminui e o bem-estar toma conta para reforçar a autoestima e ajudar na promoção da qualidade de vida, a não ser que você queira bater o recorde mundial dos 10 km todos os dias, gerando mais estresse…

Incorpore a atividade física como elemento essencial de bem-estar. Ela é poderoso coadjuvante no tratamento das depressões leves, reforça a autoestima e proporciona sono confortável.

Se você corre, consegue dizer “não” àquele segundo pedaço de bolo. Afinal, um hábito reforça o outro e é fácil ser saudável.

Mas, principalmente, considere o lado profilático do exercício. Não diga que “não gosta” antes de ter experimentado. Deixe de estar, aprenda a ser.