compartilhe

0

0

Colunistas

O começo na corrida não é fácil, mas compensa

O esforço para engrenar no esporte valeu a pena e nos trouxe mais saúde, amigos e muitas experiências

Gastando o tênisPor
Gastando o tênis

começo na corrida

Olá, gastadores de tênis.

É uma alegria para mim e para Ludmila poder dividir com vocês nossa história na corrida. Sempre dizemos que cada metro que corremos é uma vitória conquistada. Passamos por tantas dificuldades que comemoramos cada treino concluído como se fosse a final de um campeonato.

Praticar esportes não é uma tarefa fácil para a maioria das pessoas – e para nós também não foi diferente. Por anos, passamos longe de qualquer tipo de atividade física. Óbvio que os problemas de saúde começaram a aparecer por causa disso. Falta de disposição, cansaço, obesidade, depressão… Foi o momento de reagir!

Hoje, pouco mais de um ano depois de calçarmos os tênis pela primeira vez, podemos afirmar que com força de vontade dá para mudar de vida. Foi fácil? Garantimos que não. Mas está bem longe de ser algo impossível. Com uma dose extra de persistência, conseguimos transformar o exercícios em hábito. O que valeu muito a pena. Ganhamos saúde, fizemos vários amigos e acumulamos quilômetros e quilômetros desde então.

MAIS 
Os benefícios da corrida em curto, médio e longo prazo 
Correr é um ótimo remédio contra a depressão

Começo na corridaUM PASSO DE CADA VEZ

Foi um trabalho de formiguinha. No começo, o sonho era correr um quilômetro sem precisar caminhar. Depois, queríamos fazer 3K. Correr cinco quilômetros? Parecia longe demais para nós. Parecia! Completamos os 5K, chegamos aos 10K, 15K e 21 km. Sim, 2017 marcou nossa estreia na meia maratona.

Não somos atletas profissionais e estamos longe de conseguir treinar todos os dias da semana. Acreditamos que muitos de vocês fazem parte do mesmo time que nós, certo? Enfrentamos os mesmos problemas e dificuldades de qualquer amador. Desde a luta constante contra a balança até como encontrar tempo para fazer musculação ou simplesmente cumprir a planilha de corrida.

Para vocês terem uma ideia, treinamos três vezes por semana. Segunda, quarta e sexta (ou sábado, quando os longos são longos mesmo). Trabalhamos o dia todo e usamos as noites frias do Sul de Minas Gerais para correr. No meio de tudo isso, somos responsáveis por criar e educar o Álvaro, um menininho bem arteiro, de dois anos.

Aqui, contaremos as dificuldades e conquistas de corredores comuns, de pessoas comuns que amam o esporte, como você. Se tiver dúvidas, curiosidades ou sugestões é só escrever pra gente. E não deixe de nos acompanhar no Instagram @gastandootenis.