compartilhe

0

0

Colunistas

Quem ama a corrida faz qualquer coisa para voltar a correr

Após sofrer uma lesão, descobri que há pessoas que superam de tudo para treinar. O atleta Vinícius Rodrigues é uma delas

Erico AiresPor
Erico Aires
atleta Vinícius Rodrigues

Foto: Reprodução do Instagram @viniciusbellator.rodrigues

Quando comecei a correr, coloquei uma coisa na cabeça: tem que ser legal, tem que ser divertido, tem que ser para me fazer feliz! Esse é o meu lema quando o assunto é corrida. Paquerar, me encontrar com a turma de treino, emagrecer, ficar lindo, lutar contra a depressão são só consequências de uma ação que deve ter como único fim me divertir.

Estou há um mês lidando com as dores de uma ruptura parcial dos ligamentos do joelho esquerdo. Parei de treinar, parei de correr e minha diversão acabou. E sem as corridas tudo ficou triste. Achei que as coisas iam melhorar sozinhas, com gelo, arnica, mas não foi assim. Tive medo de nunca mais correr e acabei numa clínica para me curar. Lá, me deparei com uma realidade que botou tudo em perspectiva. Há pessoas que superam qualquer coisa para voltar a correr.

É o caso do atleta Vinícius Rodrigues. Aos 19 anos, por conta de um acidente com moto, ele perdeu uma das pernas. Misturando garra com tecnologia, agora está na seleção brasileira de atletismo paraolímpico, defendendo o país em provas de 100 metros e salto em distância.

MAIS
“Um lugar bem legal para papai correr”
Minha maior maratona

A ADAPTAÇÃO PARA CORRER

Foi Marcelo Avelar, técnico dos Corredores da Zona Norte, que me ensinou a correr. Filmou um treino, mudou as passadas, me levou para examinar a pisada, criou uma rotina de exercícios educativos para melhorar minha performance… A adaptação foi brutal e os resultados também: melhorei tempos, diminuí dores, a máquina azeitou.

Para os amputados, seja de membros inferiores, seja de membros superiores, o processo é ainda mais profundo. O novo atleta precisa reaprender a correr do primeiro passo ao pódio. E, independentemente de serem atletas de alto rendimento ou não, a tecnologia e as próteses de pernas, joelho e braço fazem a diferença entre conforto, bons resultados ou dores.

Pensando justamente nisso que o medalhista paraolímpico alemão Heinrich Popow resolveu criar, em parceria com a empresa Ottobock, a Running Clinic, uma espécie de curso itinerante para amputados reaprenderem a correr.

Nas aulas, além de seminários e palestras sobre experiências e tecnologias, os corredores novatos também têm oportunidade de treinar lado a lado com nomes renomados do esporte mundial, todos podendo experimentar os novos produtos criados para melhorar a performance de atletas amputados.

A Running Clinic de 2017 acontece em Buenos Aires (Argentina), de 12 a 15 de setembro, no CENARD – Centro Nacional de Alto Rendimento, e conta com a participação especial do atleta brasileiro Vinicius Rodrigues.