compartilhe

0

Notícias

Corra para ter mais foco, produtividade e felicidade no trabalho

Entenda como treinar para a modalidade pode melhorar também seu desempenho profissional

Redação WRunPor
Redação WRun

Por Diana Cortez*

Cada vez mais empresas realizam ações que estimulam seus colaboradores a terem um estilo de vida saudável e ativo. “É uma maneira de diminuir os índices de ausência por doenças, além de contribuir para manter as pessoas felizes, motivadas e produtivas”, afirma Soraia André César, professora de educação física e psicóloga do esporte, de Santo André (SP).

São muitas as iniciativas possíveis nesse sentido: algumas companhias oferecem aulas de ginástica laboral, outras subsídio para frequentar academia, promovem campeonatos esportivos internos, patrocinam eventos ou disponibilizam inscrições para os colaboradores participarem de corridas de rua.

Esse último exemplo é o caso da CBA, empresa do grupo Votorantim, que lançou em 2017 o “Programa de Qualidade de Vida Por Você”. O projeto permite que os colaboradores tenham acesso a assessorias de corrida e outras práticas esportivas em parques, além de fornecer inscrições para várias provas de rua no Brasil. Há também outros benefícios, como acompanhamento com nutricionista e campanhas de saúde e bem-estar dentro da corporação. “O foco é mudar hábitos, combater o sedentarismo, prevenir doenças e, do lado profissional, fortalecer a integração das equipes e melhorar o clima organizacional”, explica Leandro Campos de Faria, gerente de sustentabilidade da CBA.

Para se ter ideia, em 2018 a empresa esteve presente em 11 corridas, totalizando 900 inscrições oferecidas aos funcionários. Este ano os números já são maiores.

Para Rodrigo Lobo, professor de educação física e sócio-diretor da Lobo Assessoria Esportiva, em São Bernardo do Campo (SP), a atividade física é uma importante ferramenta para desenvolver disciplina e organização, além de criação de metas e objetivos. “Também é uma maneira de controlar a ansiedade, melhorar produtividade e a criatividade, fatores relevantes no dia a dia de trabalho”, fala o treinador.

A seguir, entenda o que a corrida tem a ver com melhores resultados no trabalho.

 Você controla o stress e a ansiedade

A corrida estimula a produção de hormônios do bem-estar, que modulam o stress e a ansiedade e aumentam a disposição para cumprir as tarefas do cotidiano profissional. A pessoa passa a trabalhar mais relaxada, impactando positivamente no ambiente a sua volta. “Profissionais estressados têm mais chance de ter uma percepção distorcida do outro, o que dá margem para desentendimentos. Funcionários mais tranquilos contribuem para que os relacionamentos dentro da empresa fiquem mais leves e saudáveis”, observa Soraia César.

Ganha foco e disposição

Segundo a psicóloga do esporte, a falta de concentração muitas vezes surge porque o corpo está em desequilíbrio. “Problemas com o sono e a alimentação, por exemplo, afetam diretamente o raciocínio e a produtividade”, comenta Soraia. Uma rotina de exercícios ajuda a ter um descanso reparador e tende a motivar bons hábitos alimentares. Com o corpo em equilíbrio, a cabeça funciona melhor e concentrada no trabalho.

Foi para ajudar a filha Isabelle, 20 anos, a diminuir as crises nervosas que tinha, que o eletricista de manutenção da CBA, Eliton Ferreira da Silva, 43, começou a correr. “Em 2015, decidi participar de uma corrida em família e conduzi minha filha, que é cadeirante. Foi quando percebi que a atividade fez muito bem para nós”, conta Eliton, que mora em São Roque (SP).

A modalidade não só ajudou a moça a ficar mais tranquila como contribuiu para o dia a dia profissional do pai. “Eu dormia pouco e acordava sempre mal-humorado. Até evitava falar com as pessoas pela manhã. Depois que comecei a correr, passei a priorizar as horas de sono e a alimentação. Como resultado, meu humor melhorou e ganhei muito mais disposição para trabalhar.”

Desenvolve autoconfiança

Vencer os desafios diários dos treinos de corrida influencia diretamente outras áreas da vida e mostra que você é capaz de muito mais do que imagina, e isso vale também para o trabalho.  “A pessoa se sente capaz de tomar decisões importantes, o que melhora a autoestima porque ela se percebe autora da própria história”, fala Rodrigo Lobo.

Deixa a criatividade aflorar

De acordo com Rodrigo, a corrida estimula o lado direito do cérebro, que está ligado às emoções, à intuição e à criatividade. Isso, aliado à produção de hormônios do bem-estar, cria um cenário favorável para ousar, inventar e arriscar. “Muita gente conta que tem ótimas ideias enquanto corre ou pratica outra atividade física”, comenta.

Ensina a organizar a vida

Quem leva o esporte a sério aprende a planejar a rotina para não faltar aos treinos, seguir as recomendações de dieta e dormir as horas necessárias para garantir um bom desempenho. Com o tempo e o hábito, é comum que a organização e disciplina passem a ser colocadas em prática também nas tarefas de trabalho, na gestão do tempo e no cumprimento de metas e prazos.

Ajuda a lidar com adversidades

Resiliência é uma habilidade chave para se adaptar às exigências e mudanças cada vez mais rápidas no mundo do trabalho. Mais uma vez, a corrida é uma ótima ferramenta para ajudar a desenvolver essa característica, pois demanda flexibilidade e jogo de cintura para lidar com os diferentes desafios que surgem nos treinos e nas provas, como frio ou calor inesperados, obstáculos no percurso e dores que aparecem de surpresa. “A atividade física organizada e sistemática também ensina a mente a resolver problemas com mais facilidade”, fala Rodrigo.

Reforça o senso de compromisso

Incentivar a prática de esportes coletivos ou grupos de corrida é uma forma que as empresas encontram de fomentar relações melhores no ambiente de trabalho. Os funcionários percebem que são parte de um todo, que têm um papel definido dentro da equipe e que a interação de pessoas diferentes pode produzir vínculos fortes e resultados mais consistentes. “Cria-se uma oportunidade para os profissionais entenderem que o grupo será prejudicado se alguém faltar ou deixar de fazer sua parte no trabalho”, finaliza Soraia André César.