compartilhe

0

0

Nutrição

Use a cabeça para perder peso

O inconsciente pode influenciar em diversas decisões alimentares que atrapalham seu processo de emagrecimento

Cesar Candido dos SantosPor
Cesar Candido dos Santos

Não caia nas ciladas do inconsciente

“Sou magro, mas tenho cabeça de gordo.” Essa foi a reposta que dei à Cema Santos, certificada em International Master Coach e trainer em Time Line Therapy, quando ela perguntou por que eu achava que não conseguia me alimentar corretamente (leia: ter uma vontade incontrolável, todos os dias, o dia todo, por pizza, coxinha, hambúrguer, pastel, brigadeiro, sorvete, chocolate, bolo…). Mal sabia eu que, ao dar essa resposta, estava contribuindo para que meu inconsciente, o principal sabotador da minha dieta, continuasse jogando contra mim. Cema me ajudou a entender melhor isso…

O poder do inconsciente

Cema Santos é graduada em educação física, pós-graduada em ciência do esporte e mestre em epidemiologia voltada à obesidade, exercício e gravidez. Ela vive na Austrália e esteve recentemente no Brasil para ministrar a palestra Mente Sã, Corpo São: o Peso das Emoções na Dieta Comportamental, em que mostrou como adotar novos hábitos alimentares a partir do uso da Time Line Therapy. A técnica, ainda pouco usada no país, ajuda as pessoas a se livrarem de emoções negativas que influenciam diversas das nossas decisões inconscientes, entre elas, o que escolhemos para comer. “Hoje, sabemos que o intestino possui tantos neurônios quanto o cérebro. Ou seja, qualquer abordagem sobre nutrição deve encarar que o processo digestório está diretamente conectado às nossas emoções”, acredita Cema. E quando há sentimentos, o inconsciente começa a trabalhar.

Todas as experiências que passamos geram algumas informações que são armazenadas no nosso inconsciente. Ele é uma espécie de arquivo pessoal que não podemos acessar, mas nos fornece informações de como agir diante de uma situação. “Todas as nossas decisões são feitas, primeiramente, em nível inconsciente. Só depois ela se tornam conscientes”, explica Cema. Quando você se depara com um evento semelhante a outro momento vivido, seu inconsciente manda uma resposta parecida à que já foi usada. “Conforme você repete a mesma solução, o comportamento se torna um hábito.” O que isso tem a ver com alimentação, perda de peso etc.? Tudo!

Sabe quando você come uma sobremesa depois do almoço? Aí, no dia seguinte faz a mesma coisa? Logo, você não consegue mais parar de fazer isso, né? Ou até consegue, mas precisa ter uma força de vontade enorme para resistir ao doce depois do almoço. É o inconsciente dizendo que seu padrão normal é saborear uma guloseima após a refeição.

Outro exemplo: se os pais de uma criança sempre dão uma bala para confortá-la quando ela chora, o inconsciente vai armazenar essa informação (comer doce) como solução para um problema. Ao se tornar adulta, toda vez que passar por um momento de dificuldade, o inconsciente vai dizer que atacar uma sobremesa é a primeira coisa a ser feita para resolver a situação. “E pode chegar um momento que isso passa a valer para qualquer dificuldade, como indecisões do tipo: corto meu cabelo ou não? Fico noivo ou vou morar na Europa? Peço demissão ou continuo no emprego que não gosto? Vou para balada ou durmo cedo para treinar amanhã? A solução que seu inconsciente vai encontrar para os eventos  que estão gerando ansiedade será ‘coma algo para se acalmar’, pois isso já deu certo outras vezes”, afirma.

MAIS
Como se recuperar de um pé na jaca e retomar a dieta
5 benefícios da couve para quem corre

Pense positivo

Segundo Cema Santos, uma das funções do inconsciente é proteger nosso corpo. Quando ele registra que algo é o “padrão normal do organismo”, vai fazer de tudo para mantê-lo assim. “Se na infância alguém ouve comentários negativos como ‘você é gordinho e nunca vai emagrecer’ ou ‘você come demais’, pode aceitar, inconscientemente, que aquele é seu padrão normal”, diz Cema. Aí, por mais que tenha uma grande força de vontade para se alimentar corretamente e perder peso, seu inconsciente tende a lutar contra, pois “ser gordinho” e “comer demais” é o padrão entendido como normal. “É por isso que muitas pessoas fazem dieta, chegam a emagrecer e depois voltam a engordar.”

Mais um fator que dificulta inconscientemente qualquer processo de emagrecimento é associá-lo a algo ruim. Quando vamos começar uma dieta, logo pensamos: “não vou poder mais comer sorvete”, “cerveja está proibido” ou “será muito difícil ficar sem pizza”. A própria palavra perder peso já remete a algo negativo. E, se fazer dieta não é positivo para você, seu inconsciente tentará de tudo para sabotar o regime. Afinal, a função dele é proteger seu corpo. “Procure associar o processo de emagrecimento a coisas boas. Pense que está se alimentando bem para ganhar mais saúde, ter mais disposição etc.”, aconselha.

Conheça a Time Line Therapy

A técnica ajuda a pessoa a acessar o inconsciente para descobrir e resolver situações que estão gerando respostas que dificultam a perda de peso (como a história do doce recebido na infância). “Ao encontrar a fonte oculta do problema, o indivíduo é capaz de reprogramar seus padrões neurológicos e se livrar de emoções negativas, crenças limitantes e comportamentos indesejados que interferem em suas decisões inconscientes e atrapalham a conquista de objetivos”, explica Cema. A duração da Time Line Terapy varia muito de pessoa para pessoa, mas geralmente é de sete a 20 sessões, realizadas semanalmente. “Logo na sessão inicial, que dura entre 2h30 e 3h, já é possível notar mudanças comportamentais. Depois, a cada semana uma emoção negativa é liberada e são passadas tarefas para que a pessoa sedimente seus aprendizados, permitindo que o inconsciente entenda que há um novo padrão de comportamento no qual a pessoa viverá melhor”, finaliza.

*Originalmente publicado em 20 de setembro de 2016