compartilhe

0

0

Nutrição

Vai correr à noite? Ajuste a dieta para render mais

Saiba como adequar a alimentação para as exigências de treinos e provas realizadas no período

Por
Redação

Pessoas com agenda atribulada muitas vezes descobrem que correr à noite é a única opção para seguir com a prática do esporte. Entre as vantagens de escolher o horário estão a diminuição do estresse do dia, a temperatura mais amena e a melhora da qualidade do sono.

Mas quem elege a noite como o momento para se exercitar geralmente passa o dia fora de casa e tem mais dificuldades para manter uma alimentação adequada a fim de garantir sucesso nas passadas.

“Nesse momento do dia, é comum optar por alimentos industrializados, que contêm alto teor de sódio, gorduras, poucas fibras e baixo valor nutricional”, afirma Patrícia Marques, nutricionista da NutriCorp.

MAIS
4 erros de nutrição que (quase) todo corredor comete
17 nutrientes essenciais para quem corre

Ajuste-se à rotina

Um dos segredos para não se prejudicar ao correr à noite é manter-se regrado e comer a cada três ou quatro horas. “Quando há intervalos muito longos entre as refeições, o corpo tende a acumular mais gordura, o que prejudica o metabolismo e o emagrecimento”, analisa Patrícia.

Quando estiver fora de casa, o corredor deve optar por alimentos práticos e que possam ser facilmente carregados na bolsa ou na mochila de treino, como frutas in natura ou secas, barras de cereais, biscoitos integrais e oleaginosas (castanhas, nozes e amêndoas).

Na hora do almoço, o melhor é procurar restaurantes que ofereçam uma boa variedade de pratos. Opte primeiro por uma salada que tenha folhas verdes e legumes crus e cozidos e tempere-a com azeite e sal.

Para o prato principal, dê preferência às carnes magras e, no caso de massas, evite molhos brancos ou muito gordurosos, como quatro queijos. A comida japonesa também pode ser uma alternativa, desde que com moderação e pouca quantidade de shoyu.

Treino balanceado

Antes decorrer à noite também é importante fazer uma refeição adequada e que forneça a energia necessária para o exercício. Segundo Patrícia, no entanto, a refeição deve ser feita em volume e tempo que permitam o esvaziamento gástrico a tempo de largar. “Caso algum alimento permaneça no estômago ao se iniciar o treino, o atleta pode sofrer com náusea e desconforto gastrointestinal”, afirma.

De acordo com Paula Crook, nutricionista da PB Consultoria em Nutrição, a refeição pode ser feita cerca de uma hora antes do treino e deve associar uma fonte de carboidrato com algum alimento rico em proteína magra e gordura saudável. O corredor deve evitar gorduras e o excesso de fibras, que podem causar desconfortos gastrointestinais e vontade de ir ao banheiro no meio do percurso.

Depois de correr à noite, Paula indica o consumo de carboidratos combinados com proteínas no máximo até uma hora após as passadas. “Essa é a chamada janela de oportunidade, período no qual temos que fazer a reposição de glicogênio muscular para garantir a recuperação das fibras e o aumento da massa magra”, indica.

*Originalmente publicada em 9 de março de 2016