compartilhe

0

0

Saúde

Dormir mal atrapalha a evolução na corrida e pode até engordar

Durante o sono, seu corpo produz hormônios importantes para a recuperação muscular e a manutenção do metabolismo

Cesar Candido dos SantosPor
Cesar Candido dos Santos

Dormir mal atrapalha a evolução na corrida

Toda atleta sabe que a falta de horas adequadas de sono pode atrapalhar o rendimento na corrida. Quando não dormimos bem, bate aquela indisposição para treinar, as pernas ficam pesadas e cansamos mais rápido do que o normal. Porém, os prejuízos de não passar tempo suficiente na cama vão muito além.

“Para quem faz exercícios regularmente, a privação de sono não acelera só a fadiga. Também aumenta o risco de overtraining e a predisposição a lesões”, alerta o médico Renato Lobo, pós-graduando em nutrologia, que atua em emagrecimento, ganho de massa muscular e desempenho esportivo.

Isso ocorre porque a produção de hormônios anabólicos, como testosterona e GH, ocorre principalmente enquanto dormimos. E essas substâncias são responsáveis por reparar os danos causados pelo exercício nas fibras musculares e em outras células do organismo. Esse processo é essencial para uma recuperação pós-treino adequada e para o ganho de performance.

“Além disso, dormir mal atrapalha a função imunológica, o que torna mais lento o combate a inflamações (que geram dores pós-exercício, por exemplo) e deixa o indivíduo mais predisposto a sofrer alguns tipos de doença”, explica Lobo.

MAIS
Os benefícios da corrida em curto, médio e longo prazo
Treino com eletroestimulação: mais força para a corrida

PREJUÍZO NA BALANÇA

Noites mal dormidas podem trazer um outro problema para seu desempenho no esporte. Como você sabe, quanto mais leve você está, mais fácil fica correr. Um estudo recente realizado pela Universidade de Leeds (Inglaterra) avaliou os efeitos da duração do sono no organismo humano. Os pesquisadores descobriram que quem dorme bem possui maior nível de tiroxina, hormônio da tireóide, responsável por acelerar o metabolismo. Por conta disso, essas pessoas tinham menor circunferência da cintura e índice de massa corporal (IMC), quando comparadas a quem não dormia direito.

“A falta de sono adequado ainda traz outros prejuízos que levam ao ganho de peso, como a alteração da ação da insulina e de hormônios que controlam a fome. A redução na produção de testosterona e GH também interferem no metabolismo”, explica o médico Renato Lobo.

DURMA BEM COM O CARDÁPIO CERTO

Alguns alimentos podem contribuir para que você tenha uma boa noite de descanso. A melatonina, hormônio do sono, é produzida a partir do aminoácido triptofano. O nutriente está presente no leite e seus derivados (queijo, iogurte, whey protein), na banana, nas castanhas, no abacate, no frango, na aveia e no ovo, por exemplo. “A deficiência de vitaminas do complexo B, ácido fólico, zinco e magnésio também podem prejudicar a qualidade do sono e fazer com que ele não seja reparador”, indica o médico Renato Lobo.