compartilhe

0

0

The Finisher

Corrida contra a obesidade

Depois de perder mais de 50 kg, Pedro se desafiou na Rio City para provar que a meia maratona é uma distância para todos

Juliana MesquitaPor
Juliana Mesquita

Corredor perdeu mais de 50 kg através do esporte

“Você nunca vai conseguir correr 1 km!” Se fosse dar atenção aos deboches e críticas que recebeu quando começou a fazer exercícios, Pedro Arruda Júnior, de 29 anos, jamais teria experimentado a sensação incrível de completar os 21,097 km – que coroou a transformação da sua vida.

Sedentário até os 27 anos, o mineiro, que mora em Niterói (RJ), foi diagnosticado com obesidade mórbida e chegou a pesar 168 kg. “Estava com vários problemas de saúde por causa do sobrepeso e o cardiologista disse que minha única saída era emagrecer. Ele recomendou até que eu fizesse uma cirurgia de estômago para isso”, lembra.

Apesar do alerta do médico, Pedro só se deu conta de que realmente precisava mudar completamente de vida quando foi defender sua tese de mestrado, em 2014. “A maior beca da universidade não serviu. Foi necessário confeccionar uma ‘especial’ para que eu pudesse concluir meu curso”.

Os primeiros passos

Como achava um absurdo um jovem de 27 anos se sujeitar a uma cirurgia para perder peso, Pedro resolveu que iria emagrecer do jeito tradicional: com dieta e atividade física. “Iniciei com caminhadas leves e curtas, pois não aguentava sequer andar em um ritmo mais forte durante 30 minutos.”

A evolução para a corrida foi algo natural, mas só aconteceu depois de certo tempo, quando ele já tinha eliminado 20 kg. No começo, o mineiro alternava alguns minutos de trote com caminhada, e sofreu bastante. Não pela dificuldade do exercício e sim com o preconceito. “Recebi muitas críticas. As pessoas debochavam de mim por ser gordo e tentar correr. Muitos diziam que eu jamais seria capaz de completar 1 km”.

Apesar das dificuldades, Pedro não desistiu. Continuou treinando, comendo bem, perdendo peso e aumentando a distância percorrida, até fazer sua primeira prova e se apaixonar definitivamente pelo esporte. “Cruzar a linha de chegada traz uma sensação incrível de glória, de dever cumprido. O companheirismo em uma corrida é incrível. Todos são vencedores, mesmo quem terminou em último lugar.” Esse ambiente e a queda dos ponteiros na balança foram os principais combustíveis para o mineiro seguir em frente.

O desafio dos 21K

Após quase dois anos correndo, Pedro já havia eliminado cerca de 50 kg e feito mais de 60 provas de 5 km, 10 km e outras distâncias curtas. “No início de 2017, decidi que era hora de evoluir, vencer novas barreiras e me desafiar na meia maratona”. A competição escolhida para isso foi a Rio City Half Marathon. “Quando vi o percurso da prova, tive a certeza de que era naquela paisagem linda que eu queria conquistar a medalha da maior corrida da minha vida.”

Para o corredor, a prova foi incrível. Ele conta que se sentiu um grande vencedor a  cada quilômetro que deixou para trás. “Quem poderia imaginar que uma pessoa que há dois anos pesava 170 kg e tinha sido aconselhado a fazer cirurgia bariátrica conseguiria estar ali, completando os 21,097 km?”

A Rio City Half Marathon foi muito mais do que uma corrida para Pedro. Foi um sonho realizado. A confirmação de uma grande vitória contra um dos maiores males do mundo atual: o excesso de peso. “Nunca me emocionei tanto em uma prova. Ao ver a linha de chegada, senti uma alegria absurda e a sensação de dever cumprido. Reservei um lugar especial para minha medalha de participação. É meu troféu por de ter vencido a obesidade.”

Apesar de ainda estar gordinho e pesar 116 kg, hoje Pedro é saudável. Não utiliza mais medicamento para controlar a pressão e se sente realizado. “Só quem corre sabe ao certo o orgulho que estou sentindo.” Pois é, Pedro. Erradas estavam as pessoas que duvidaram de você e não conheciam o poder da corrida.