compartilhe

0

0

The Finisher

Tratado pelo GRAACC, Kleber descobriu o esporte após a recuperação

Diagnosticado com Linfoma de Hodgkin na adolescência, Kleber se recuperou com a ajuda da instituição

Juliana MesquitaPor
Juliana Mesquita

A história de Kleber Ferraro teve momentos de tristeza justamente em um período de transição para a vida adulta. Aos 15 anos, veio o baque: “Apareceu uma bolinha no meu pescoço que doía. Como a minha mãe trabalhava no Posto de Saúde, ela me levou até lá para fazer alguns exames. Porém, todos deram normais”, lembra.

Depois desse episódio, outra bolinha nasceu em Kleber – dessa vez, atrás da orelha. Foi nesse momento que ele obteve ajuda. “O pai de um amigo era diretor do IBCC (Instituto Brasileiro de Combate ao Câncer) e, por meio dele, consegui uma consulta com um especialista.”

Depois de uma biópsia, o diagnóstico foi confirmado: Kleber tinha Linfoma de Hodgkin – um tipo de câncer que afeta o sistema linfático. Depois de descobrir o problema, os médicos que atenderam Kleber no IBCC o encaminharam para o GRAACC, que lhe daria mais assistência.

Depois de passar por especialistas no GRAACC, Kleber precisou se submeter à quimioterapia e, posteriormente, à radioterapia. Foram oito meses em tratamento.

“O GRAACC foi tudo na minha vida. Lá eles tinham todo o suporte. Desde psicóloga até escola móvel, que me permitiu continuar estudando durante o tratamento”, lembra. O Instituto também o ajudou com o cursinho pré-vestibular e, posteriormente, com o seu ingresso na faculdade de fisioterapia.

MAIS
Entrevista: Tatyana Mcfadden, 17 vezes campeã paralímpica
Circuito Caixa da Cidadania: etapa União Europeia anima centro de São Paulo

Ainda no primeiro ano da graduação, Kleber foi surpreendido pelo retorno do câncer que, dessa vez, veio mais agressivo. “Na primeira vez não tive que receber sangue, mas a segunda sim. Além disso, perdi muito peso com o tratamento”, lembra.

Depois de vencer o câncer definitivamente, Kleber começou a praticar esportes para melhorar a sua função pulmonar. Primeiro veio a natação, em seguida foi a vez da musculação e do Muay Thai… E, há algum tempo, ele vem se arriscando na corrida.

“A única sequela que o câncer me deixou foi o hipotireoidismo. Graças a ele, tenho mais dificuldade de manter o peso. A corrida me auxilia nisso… A maior distância que eu encarei foi a de 10 km. O esporte sempre me ajudou a superar os meus próprios limites e a ter vontade de encarar novos desafios.”

CORRIDA E CAMINHADA GRAACC

No próximo domingo (13) será realizada a 18ª Corrida e Caminhada GRAACC. Toda a renda do evento será destinada ao tratamento de crianças e adolescentes com câncer atendidas pela instituição. Neste ano, crianças e adolescentes poderão se inscrever e participar da caminhada de 3 km. Os corredores, por outro lado, poderão se aventurar nos 5 km e nos 10 km. Ainda dá tempo de se inscrever e ajudar. Para isso, basta clicar aqui.