compartilhe

0

The Finisher

Depois de enxugar 25 kg, foco na primeira maratona

Natália deixou a obesidade para trás e se prepara para completar seus primeiros 42K

Redação WRunPor
Redação WRun

A corredora Natalia Chaves

Para a mineira radicada em Campinas (SP) Natalia Rodrigues Chaves, de 31 anos, começar a correr foi quase que uma terapia. Em uma fase de dificuldade na família, ela encontrou na corrida um momento só seu, em que podia ficar a sós com seus pensamentos e deixar os problemas um pouco de lado. Passada a crise, ficou o hábito de correr. A evolução no esporte aconteceu naturalmente, e hoje, pouco mais de dois anos após ter se iniciado na corrida, Natalia se prepara para completar sua primeira maratona: a Cosan SP City Marathon, dia 28 de julho.

Corrida para aliviar a tensão                  

Em 2017 meu pai teve um AVC e ficou duas semanas internado na UTI. Passei a acompanhá-lo no hospital e minha rotina ficou pesada: dividia meu dia entre o trabalho e o tempo que ficava com ele no hospital. Foi um período desgastante – além de ser muito triste vê-lo naquela situação, eu não tinha tempo para mais nada. No terceiro ou quarto dia, cheguei em casa do trabalho e resolvi dar uma caminhada para espairecer antes de ir para o hospital. Terminei com a cabeça mais leve, organizada e me propus fazer isso todo dia. Intercalava caminhada e um trote leve. Depois que meu pai teve alta, não quis quebrar essa rotina.

Reencontro comigo mesma

Nessa época eu estava meio perdida, me sentindo desconectada de mim mesma. Fora que estava quase 30 kg acima do meu peso ideal, com o colesterol altíssimo e a autoestima lá embaixo. A corrida foi uma descoberta que mudou tudo: virou um momento do dia em que eu podia ficar sozinha comigo mesma e me cuidar.

Natália participando da W21K, onde correu uma meia maratona

O nascimento de um hábito

Comecei correndo leve e por pouco tempo. Devagar, fui aumentando meus objetivos. Um dia decidi tentar dar uma volta completa no parque onde treinava, um percurso de 5 km, sem andar. Esse foi o verdadeiro start na corrida para mim, o que me fez querer me dedicar mesmo à prática. Chorei de emoção ao completar a volta no parque; fiquei emocionada por não ter desistido e ter conquistado aquilo que me propus fazer.

Vida nova com a corrida

Faz pouco mais de dois anos que corro e mudei muito desde então – não só no corpo, mas na mente também. Perdi 25 kg e todos os meus exames estão ótimos. O colesterol alto eu descobri que é hereditário, mas já está normalizado. Meu sono melhorou bastante, me sinto mais disposta e alegre. É gostoso e estimulante quando as pessoas reconhecem quanto mudei para melhor. Se tudo der certo, quero correr para sempre. Se soubesse que o esporte traria tantas coisas boas para minha vida, teria começado bem antes.

Hora de se desafiar

À medida que comecei a levar a corrida a sério, quis testar meu desempenho. A primeira prova que corri na vida foi a WRun, e tenho ótimas recordações do evento, desde a organização da prova até os cuidados com as corredoras e as atividades programadas para nós na arena. Desde lá, corri algumas provas de 10K, duas de 15K e seis meias maratonas, incluindo a do Rio e a de Florianópolis. Quando senti vontade de tentar fazer uma maratona, conversei com o meu treinador e ele me falou que achava viável e que deveríamos começar a preparação. 

A corredora Natália Chaves durante uma meia maratona em São Paulo

Primeira maratona

Os 42K da Cosan SP City Marathon serão minha primeira maratona. A escolha foi fácil: queria uma prova grande, com estrutura e organização ideais para minha estreia na distância. Também ouvi falar superbem da SP City, apesar de também terem me alertado que é um percurso duro. Estou segura e feliz com a minha escolha; ansiosa, porém animada nestes dias de contagem regressiva.

Criei uma relação de amor e ódio com a prova (risos) porque é um projeto desgastante, nada fácil. Eu não entendia o que era disciplina até começar a treinar para uma maratona. Não existe dia bom ou clima favorável para treinar. A gente simplesmente se compromete e vai. Deixei de frequentar alguns lugares, como bares e baladas, mudei minha dieta e alinhei vários aspectos da minha vida para alcançar essa meta.

Ajuda profissional

Durante a preparação para a prova fui descobrindo coisas que podiam me ajudar a completar bem o percurso. Faço funcional três vezes por semana, com exercícios específicos para fortalecer o corpo para a corrida. Também sou acompanhada por uma assessoria esportiva que fornece minhas planilhas de treino, faço fisioterapia, massagem e acupuntura. Ajustei minha dieta com orientação de um nutricionista, passei a entender a alimentação de uma forma diferente. A soma de todo esse esforço tem feito uma diferença gigante na minha vida.

Metas para a Cosan SP City Marathon

Estipulei um tempo para completar a prova e um pace que criei como meta pessoal. Mas meu objetivo real é concluir bem, inteira. O mais importante é que a experiência seja valiosa. Meu foco não está tanto no tempo e sim em fazer uma prova de qualidade. Quero que cada quilômetro valha todo o esforço de preparação, que foi muito! (risos). Desde que comecei a treinar para a maratona, já corri 1.200 km. Minhas expectativas são as melhores do mundo. Tenho certeza que será um dia incrível e farei uma prova excelente.