compartilhe

0

0

The Finisher

“A corrida me ajudou a controlar a ansiedade, mudou a minha filosofia de vida e como eu encaro as coisas”

Após ser desafiado, Otávio encontrou na corrida algo para a vida

Lucas ImbimboPor
Lucas Imbimbo
Otávio Albuquerque

Foto Instagram: @taviao

“A corrida é o meu momento. É a hora que eu tenho para mim, que eu posso focar em apenas uma coisa. Hoje eu tenho certeza que é um hábito que quero levar para a vida”. Sabe aquela história de que depois que você conhece a corrida não consegue mais largar? Otávio Albuquerque, ou Tavião, sabe bem o que é isso.

Tavião tem longa trajetória na internet e na produção de conteúdo. O sorocabano de 36 anos é famoso pelos seus programas de culinária e já trabalhou no Google, gerenciando os projetos do Youtube Space no Brasil. Atualmente trabalha na Tastemade, uma rede internacional de conteúdos gastronômicos. Hoje, seus principais canais são o Rolê Gourmet, Coisas que Nunca Vivi e o programa Coisas que Nunca Comi, que vai ao ar no canal da Tastemade Brasil.

A.C – D.C (Antes da Corrida / Depois da Corrida)

O esporte nunca foi tão protagonista na vida de Tavião como é hoje. Antes da corrida, ele se arriscava apenas no futebol, no ciclismo e na caminhada. “Eu chegava a ir andando da Paulista até o Ibirapuera. Era muito gostoso”.

Depois de se mudar para o Rio de Janeiro para cuidar do projeto do Youtube Space carioca, Otávio começou a se movimentar mais, aderindo ao ciclismo. “Eu ia trabalhar de bike. O Rio é menor, então é mais fácil. Mas quando eu finalmente decidi cuidar da minha saúde, caí da bicicleta e quebrei a costela.”

Belo jeito de começar a cuidar da saúde, não? Tavião ficou os últimos dois meses dele no Rio imobilizado, sem poder praticar nenhum esporte. “Eu passei muito tempo trabalhando de uma maneira que não era saudável: sem tirar férias e sem me preocupar com a minha saúde. Quando fiz 35 anos foi o momento em que o jogo virou. Pedi demissão da Google e voltei para São Paulo”.

Então as coisas começaram a acontecer. Logo depois que Otávio voltou, surgiu a proposta de participar de um desafio da Asics, junto do Dr. Drauzio Varella. Foi nesse momento em que ele teve o seu primeiro contato com a corrida.

Lugares que nunca corri

O objetivo do desafio era fazer uma pessoa que não pratica nenhuma atividade física completar uma corrida de 5 km com um mês de treinamento. Otávio topou. No primeiro dia, Drauzio propôs uma corrida de 1 km em uma pista de atletismo. “Cheguei esbaforido! No outro dia estava cheio de dores nas pernas”, diz.

O treino continuou. Com a ajuda de Drauzio e de uma preparadora física do projeto, Otávio recebeu uma planilha – que decidiu não seguir completamente. “A planilha era irreal! Era para me transformar em um soldado de esparta!”, brinca. Ele pegou alguns treinos da planilha e adaptou com algumas dicas de seu personal.

Durante todo esse processo, o maior desafio eram as dores. “Eu acordava no meio da noite… Dores na canela, nas coxas… Foi péssimo. Foi nesse momento que eu percebi que precisava de um trabalho de fortalecimento”. Sua rotina era de três treinos de 3,5 km semanais alternados com as aulas de funcional.

Nesse começo, a evolução não era muito grande. “Eu nunca passava do primeiro quilômetro. Até que meu amigo me deu uma dica: vá no seu ritmo. Respeite a sua respiração. Depois dessa dica, eu corri 2,5 km de primeira!”. Então o jogo mudou. Otávio passou a evoluir mais e mais até alcançar os 5 km.

No dia do desafio ele já corria até mais que o programado. “O treinão acabou alcançando pouco mais que 6 km”, conta. Durante a corrida, pessoas vinham conversar com ele, o que acabou dificultando um pouco a experiência. “Pra eles é mais fácil conversar. Essa era a primeira vez que eu fazia uma distância como aquela. Faltou um pouco de empatia”, brinca. Mas, no final, deu tudo certo.

MAIS
Uma meia maratona cheia de emoção!
Correr é um ótimo remédio contra a depressão

O equilíbrio

Com toda influência culinária que seu trabalho proporciona, como ele encontra o equilíbrio na saúde? A corrida é uma das responsáveis. “Eu era muito magro quando era moleque. Quando eu comecei a ganhar alguma grana no trabalho, passei a comer tudo o que eu não podia antes e engordei muito e em pouco tempo – e nem percebi!”, conta.

Por mais que Otávio não queira se tornar um atleta de performance, a corrida ajuda bastante a encontrar esse equilíbrio. “Combinar a corrida com uma rotina mais ou menos estável, saber onde vai almoçar, jantar… Cozinhar em casa! Isso ajuda muito”, diz.

Hábito para a vida!

A post shared by otavio albuquerque (@taviao) on

Mesmo depois do desafio, Otávio continuou correndo. Sua meta agora é chegar nos 10K. E ele está perto – beirando os 8 km. Se existe algo que Tavião tem certeza é de que ele ainda quer correr durante muito tempo! “Tem gente que quer se mudar para perto do trabalho. Eu quero me mudar para um lugar que dê pra correr ainda mais”.

“O meu começo na corrida era como uma analogia de como eu enfrentava todas as questões da minha vida: da forma mais rápida e intensa possível. Ela me ajudou a controlar a ansiedade, mudou a minha filosofia e como eu encaro as coisas”.