compartilhe

0

0

Treino

Não deixe pensamentos ruins sabotarem sua corrida

Aprenda a controlar a ansiedade e os gatilhos mentais negativos que podem prejudicar a performance

Élcio PadovezPor
Élcio Padovez

pensamentos ruins sabotarem sua corrida

Tudo pronto para a largada! Você está com tênis e roupas confortáveis, cumpriu certinho a planilha, se alimentou bem e descansou bastante. Porém, na hora que começa a prova, a cabeça trava e a corrida não sai como planejada.

Essa situação, comum para muitos atletas, geralmente acontece devido à combinação da ansiedade com pensamentos negativos. Eles geram sintomas como frio na barriga, coração acelerado e boca seca. De acordo com Higor Caldato, psiquiatra da clínica Nutrindo Ideias, quando isso ocorre frequentemente e por tempo prolongado, pode aumentar a tensão muscular, diminuir a concentração e prejudicar a motivação e a performance.

“Aprender a controlar os ‘nervos à flor da pele’ é fundamental para que um atleta, amador ou profissional, consiga dar seu máximo em qualquer competição”, alerta Caldado.

FORTALEÇA SUA MENTE

Para evitar que a ansiedade ou gatilhos mentais que disparam pensamentos ruins sabotem seu desempenho na prova, você deve trabalhar o lado mental durante os treinos, junto com a parte física. Uma forma de fazer isso é com a auto-fala positiva. Sempre que for correr, diga para si mesmo frases como: “Você está muito bem” ou “Vamos lá, você consegue”.

“Esse tipo de incentivo é muito importante. Pessoas que costumam ter uma auto-fala negativa geralmente sofrem durante a competição, pois estão mais preocupadas com os obstáculos do que com a corrida em si”, diz a psicóloga esportiva Raísa Lobato.

MAIS  
Trabalhe a mente para evoluir na corrida
5 exames pouco conhecidos que ajudam a correr melhor

Outra ótima maneira de fortalecer sua mente para uma competição é mentalizá-la durante os treinos — ou mesmo em momentos de descanso. Procure imaginar você suportando toda a pressão a que será submetido, tendo um bom desempenho na corrida e cruzando a linha de chegada dentro do tempo planejado.

“Realizar exercícios de respiração, em que o atleta puxa o ar de forma pausada e ritmada, utilizando todo o pulmão, também ajuda a estabilizar a ansiedade e a frequência cardíaca, fazendo com que corredor relaxe”, orienta Caldato.

MANTENHA O FOCO

Para Raísa, que acompanha atletas amadores na região de Taubaté, interior de São Paulo, o excesso de distrações do mundo moderno precisa ser balanceado em períodos que antecedem uma competição. “É saudável que a pessoa tenha um ritual definido para se manter focada na corrida. Se o atleta é muito agitado no dia a dia, sempre recomendo que ele ouça músicas calmas antes de correr, para que a ansiedade não o atrapalhe”, destaca. Ficar grudado no celular e nas redes sociais não é um bom negócio. Isso pode deixar o pensamento disperso e mais acelerado do que o necessário.

Caso o corredor sinta que precisa de orientação mais técnica, a fim de melhorar a performance e deixar a ansiedade “trancada” em casa, Raísa indica adotar o biofeedback, ferramenta utilizada em consultórios para dar o máximo de retorno sobre o perfil e hábitos do atleta. “Nós simulamos exercícios e situações corriqueiras de uma prova em uma esteira, voltada de frente para um espelho. Ao correr, a pessoa consegue observar se ela está com a postura correta, e também aprender a equilibrar a respiração por meio da bioventilação”, explica. A psicóloga salienta que um cérebro em boas condições antes e ao longo de uma corrida deve estar 50% em estado de alerta e 50% relaxado. Só assim você conseguirá atingir 100% dos seus resultados!